quarta-feira, 1 de maio de 2013

Por FERNANDA SILVEIRA SCHMITZ.


CONSUMISMO INFANTIL



  Ninguém nasce consumista. O consumismo é uma ideologia, um hábito mental forjado, que se tornou uma das características culturais mais marcantes da sociedade atual. Não importa o gênero, a faixa etária, a nacionalidade, a crença ou o poder econômico. Todos que sentem o efeito da publicidade são estimulados a consumir inconsequentemente.

   As crianças em desenvolvimento, mais vulneráveis que os adultos, não ficam fora desta lógicae sofrem cada vez mais com as consequências relacionadas com os excessos do consumismo:obesidade infantil, erotização precoce, consumo precoce de tabaco e álcool, stress familiar,banalização da agressividade e da violência, entre outras.
   Os pais enchem as lojas para atender os desejos dos filhos. Esta cena não é comum somenteno mês do Natal. Os excessos quanto aos pedidos das crianças acontecem frequentemente, eisto se deve à forte influência que o consumo exerce sobre as crianças. Uma forma de lidarcom esse aspecto é a orientação que os pais podem oferecer o quanto antes, esclarecendoque o importante é a personalidade da pessoa e não aquilo que ela consome.

   O ser humano tem uma grande necessidade de aceitação, de pertencer a um grupo, econsumir seria uma forma de inserção social, a criança “necessita” adquirir determinado brinquedo, certas marcas de tênis e roupas e até fazer alguns passeios que são interessantes para o seu grupo.

   Por outro lado na maioria das vezes quem incentiva esse consumismo são os próprios pais que tem uma vida muito corrida com trabalho, alguns além de trabalhar o dia inteiro estudam a noite, e não tem tempo para os filhos o que acontece é que acabam tentando “suprir” esta falta de tempo de carinho e atenção dando tudo o que a criança deseja.

  Sem falar na influência direta que a publicidade tem sob as crianças, alguns produtos tem um apelo direto à infância, e alguns até são multados pela forma com que fazem isso. Por exemplo, o Mc Donalds foi multado em R$3,192 milhões por publicidade de alimentos voltada a crianças no sanduiche McLanche Feliz. A multa partiu de denúncia feita pelo Projeto Criança e Consumo, do Instituto Alana, organização não governamental (ONG) que trata de consumo infantil. A ONG argumentava que a associação entre a venda de alimentos e brinquedos "cria uma lógica de consumo prejudicial e incentiva a formação de valores distorcidos, bem como a formação de hábitos alimentares prejudiciais à saúde".

“A infância deve ser preservada na sua essência como um tempo indispensável e
fundamental para a formação da cidadania 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário